Histórico

O Programa de Pós-Graduação em Dança da Universidade Federal da Bahia-PPGDança/UFBA se implica no fomento à pesquisa em Dança, em cenas de enações artísticas e didático-pedagógicas, com a construção de um corpus teórico capaz de abordar processos corporais-cognitivos, estético-compositivos e histórico-culturais. Ao termos o corpo como instância de ocorrência de processos de cognição, comunicação e evolução, imbricados nos sistemas vivos e culturais, compreendermos a Dança como uma configuração que explicita e potencializa esses processos. Dado o caráter interdisciplinar da área de Artes, e da Dança nele inclusa, as proposições dos Cursos de Mestrado e Doutorado têm caráter interteórico ao acolherem abordagens conceituais e epistemológicas de diversificadas áreas do conhecimento como forma de potencializar e agregar as complexidades e particularidades dos assuntos específicos do campo da Dança. Processos e resultados de nossas pesquisas em Dança tratam de efetivar esta articulação teórico-prática que, sistematicamente, de maneira simultânea e recíproca, têm o fulcro de diferentes escopos de conhecimento, dedicado ao estudo do corpo, da produção artísticocultural, dos processos educacionais em Dança em seus múltiplos e díspares contextos.

Em consonância ao Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFBA se insere a Pró- Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa que tem um papel fundamental quanto ao apoio aos Programas de Pós-Graduação da UFBA. Ela nos orienta na elaboração de estratégias que visam a qualidade das relações entre Ensino, Pesquisa, Criação e Inovação, por meio de contínuos seminários e reuniões, respeitando as particularidades de seus cursos stricto sensu. Imersos e imersas em princípios de práxis que não firam os valores gerais do PDI-UFBA e da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa – porque, enfatizamos, com eles nos entrelaçamos – consideramos nosso caráter público, gratuito, inclusivo e de qualidade. O PPGDança na ação da pesquisa e ensino, que se vertem no impacto de inserção na sociedade, busca excelência com uma Dança comprometida com o alargamento às suas inúmeras manifestações e diversificação de corpos, gêneros, sexualidades, raças.

Colocamo-nos em abertura ao conhecimento, junto ao rigor intelectual nas expressões artísticas, técnicas e bibliográficas. Com reverência e respeito às tradições e histórias das danças nos inscrevemos no pensamento contemporâneo, enquanto possibilidade de pesquisa crítica constante. Comprometemo-nos com um processo seletivo que atende à política de cotas, bem como ao mérito, junto a reconhecer a maior vulnerabilidade de pessoas trans, com deficiência, quilombolas e indígenas. Engajamo-nos, por consequência, na permanência de estudantes com uma política de distribuição de bolsas que busca contribuir, junto ao mérito, para reparar a imensa desigualdade de possibilidade de acesso a um Curso de Pós-Graduação em Dança.

Em coativação de epistemologias, grande diversidade e compartilhamento de pensares e fazeres apresentam-se as especificidades do próprio PPGDança. Um substrato epistemológico que gera uma inserção social significativa, alinhada aos nossos propósitos, linhas de pesquisa, disciplinas, grupos e projetos de pesquisa de docentes, e que nos confere um caráter diferenciado no campo desta mesma diversidade da Dança.  Vinculamo-nos a que os cursos de Mestrado e Doutorado marquem seu pioneirismo e contínuo empenho em estabelecer sinergias com teoria atada à empiria, ao nuclear a relevância dos estudos em Dança conectada com os avanços de pesquisas relativas aos processos cognitivos do corpo, sendo corpo uma concretude de múltiplos modos de ser e estar com o mundo; com às mais variadas configurações e processos artísticos e tecnológicos e uma Dança correlacionada às demandas de políticas públicas, identitárias, e educacionais. Visamos que este campo de epistemologias consolide a Dança ao se inserir na sociedade em termos de impacto intelectual, artístico, técnico, bibliográfico, com uma variedade de produções e atuações, com abrangência local, regional, nacional e com empenho para que se amplie mais de forma internacional. Uma Dança com valores de qualidade de pesquisa e referencial de produção de conhecimento, primados pela negação da discriminação e preconceitos de qualquer ordem.

Em outubro de 2017, o Programa de Pós-Graduação em Dança-PPGDança recebeu o resultado da avaliação CAPES e, com a nota 4, concentramos esforços para elaborar o projeto do curso de Doutorado Acadêmico, uma oportunidade revigorante e de grande interesse do nosso corpo docente e da Escola de Dança como instituição promovedora. O curso foi elaborado pela comissão composta pelas professoras Adriana Bittencourt, Gilsamara Moura, Fabiana Dultra Brito, Lenira Peral Rengel, Lucia Matos, Ludmila Pimentel e Daniela Amoroso. Foram convidadas três professoras doutoras externas ao PPGDança: Paola Berenstein, Inaicyra Falcão e Ciane Fernandes. Todas as três com reconhecida e avançada pesquisa no campo da Dança e das Artes, que se articulam às linhas propostas para o Doutorado, junto a várias orientações de doutorado concluídas.

O Curso de Doutorado foi aprovado nas instâncias do Conselho Acadêmico de Ensino da Universidade Federal da Bahia e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Em novembro de 2018, o Programa lançou o edital de seleção, tendo 33 inscritos e, após o processo seletivo, em 8 de fevereiro de 2019 foi homologado o resultado com 10 candidatos aprovados e mais uma candidata com deficiência visual, concorrendo pelas “vagas supranumerárias”, de acordo com a Resolução Nº 01/2017, do Conselho Acadêmico de Ensino da Universidade Federal da Bahia que “Institui normas para procedimentos, editais e reservas de vagas para processos seletivos da Pós-Graduação stricto sensu da UFBA”. Assim, em 18 de fevereiro de 2019 o PPGDança, com Pós-Graduação plena, se consolida em sua maturidade ao iniciar o ano letivo com o primeiro curso de Doutorado, com especificidade em Dança, do Brasil e da América Latina – e, colocadas as específicas maneiras de concepção pública e privada de ensino em nível mundial – é o único público e gratuito do mundo, até o momento. O ineditismo desse curso é motivo de satisfação para o Programa, seu corpo docente, discente e técnico e para a UFBA, pois demonstra, não apenas nosso desenvolvimento, mas  um crescimento como um todo, uma vez que reafirma um espaço de ambiente formativo e papel e relevância na produção de  pesquisa em Dança.

Atualmente, a Dança enquanto área de concentração se apresenta no sistema de Pós-Graduação no Brasil, com dois mestrados em Dança. Até a aprovação do Doutorado do PPGDança não havia um curso de Doutorado notadamente de Dança. Tal fato fez com que a maioria dos pesquisadores se formasse em Programas de Pós-Graduação na área de Artes de forma mais geral ou em outras áreas, que apresentavam em sua proposta a inserção de pesquisas em Dança. Vale ressaltar que nos anos 2000 se iniciou um processo de abertura de novos cursos de Dança nas Instituições de Ensino Superior (IES), principalmente nas Universidades Federais, em virtude do Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais- REUNI. Junto a esses cursos a primeira Licenciatura em Dança, modalidade a Distância (EAD), foi aberta em 2017 pela Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia, em parceria com a Universidade Aberta do Brasil. O aumento dos cursos de licenciatura em Dança e consequentemente a formação de professores em Dança têm fortalecido a presença esta presença de linguagem específica no ensino fundamental e no ensino médio, com a dança sendo ensinada nos Cursos Técnicos Integrados, em Licenciaturas a distância e na própria Universidade. Temos, portanto, um contexto de expansão da área de Dança em diferentes níveis de Ensino e, consequentemente, em setores da sociedade. Nesse sentido, no âmbito da Pós-Graduação, a rede de impacto da Dança em crescente desenvolvimento se efetiva no número de dissertações concluídas no nosso curso de Mestrado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação em Dança. Desde sua implantação, até 2019, tivemos 177 defesas concluídas. No acompanhamento dos egressos nota-se forte atuação para o fortalecimento Dança em seus múltiplos modos de manifestação. Muitos já possuem doutorado, cuja boa parte é de professores universitários. Há, também, uma quantidade significativa atuando na Educação Básica de capitais e municípios e um grande montante em atuação artística com pesquisa avançada, enquanto atuação nacional e internacional. Ainda se ressalta a verticalidade da pesquisa em Dança, já que egressas e egressos estão em processo de doutoramento.

A proposta do curso de Doutorado em Dança consiste na expansão dos estudos em Dança em nível de Pós-Graduação com ênfase na formação de pesquisadores em dança. Assim sendo, o curso tem a área de concentração Dança e se organiza em coerência com as três linhas de pesquisa: 1. Dança, corpo e cognição; 2. Processos e configurações artísticas em Dança e 3. Mediações educacionais e culturais em Dança. O PPGDança buscava ampliar a abrangência da sua proposta acadêmica ao Doutorado, complementando todos os níveis de titulação em Dança – Graduação, Especialização, Mestrado e Doutorado. Contudo, a iniciativa foi frustrada pelo resultado da Avaliação Trienal de 2007, que rebaixou a nota do Mestrado para 3, apesar do curso não ter ainda completado um ano de funcionamento. Desde então, o Programa envidou e envida esforços no sentido de atender às recomendações dos Comitês de Avaliação, da própria CAPES, atento continuamente à necessidade de  autoavaliação e autoconsciência da importância da Dança para uma ampliada formação humana, junto ao fato de o PPGDança aglutinar estudantes de várias partes do Brasil e da América Latina, fatos que nos fazem saber da responsabilidade que temos. É importante ressaltar que os egressos do Mestrado, ao longo desses anos, demonstraram interesse na continuidade dos estudos da Dança no desejo de desenvolverem suas pesquisas. Uma vez que não havia, ainda, o Doutorado com a especificidade em Dança, tiveram que fazer seus doutoramentos em outros cursos, como registrado anteriormente. 

A atual proposta de Doutorado incorpora pressupostos conceituais nucleadores, que postulam a aproximação entre a Dança, as Artes e as Ciências para compreender as danças como forma de cognição - que acontece de modo situado e situacional com o corpo e o contexto. Contudo, os mesmos parâmetros que sustentam o Programa são os mesmos que permitem a sua diversidade, da qual decorre a ampliação das linhas de pesquisa do Programa e da diversidade epistemológica de seus pesquisadores. Assim, a atual configuração resulta de processos culturalmente diferenciados, mas busca avançar em seus propósitos de contribuir para a consolidação da Dança como área específica de conhecimento, atualizando a estruturação e a dinâmica do Curso ao contexto brasileiro da Pós-Graduação e do sistema das artes. O Doutorado em Dança, em sua missão fomentadora da pesquisa avançada, visa subsidiar o aprofundamento da compreensão da Dança nas suas tensões epistêmicas em interface com outras áreas do conhecimento. 

O Doutorado em Dança, em seu caráter singular, reforça a produção da pesquisa acadêmica, nesse campo de conhecimento e articula seus diversos modos de existência. Há uma diferenciação quanto ao Doutorado acadêmico em Dança, já que visa a produção de pesquisa atrelada à educação, aos processos artísticos, à historiografia, aos estudos culturais e étnicos, reforçando a Dança como processo cognitivo do corpo. A efetivação das relações entre diversas epistemologias apresenta uma diversidade de abordagens e dos modos de tratar a dança, mas sobretudo a construção de conhecimento em Dança. O Doutorado Acadêmico marca historicamente a relevância de se fazer pesquisa em Dança.  Depois de quase quinze anos formando mestres que se difundiram pelo país atuando na docência, na pesquisa, e na arte, a necessidade da criação de um doutorado se fez urgente para reforçar o campo e gerar pesquisadores. Ao longo de praticamente 15 anos (a serem completados em no início de 2021) não foram poucas as solicitações de mestrandos e egressos para que o curso de Doutorado fosse implementado.

A criação e implementação em 2006 do primeiro Mestrado em Dança do país (em 2018 houve a aprovação e está em curso o Mestrado em Dança da Universidade Federal do Rio de Janeiro), com área de concentração em Dança, pela Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia resultou de uma conjugação de fatores particularmente favoráveis – em relação às condições gerais de infraestrutura acadêmica, administrativa e institucional da Escola –necessárias para a sua concretização. A situação propícia para a criação do Mestrado em Dança remonta a ações anteriores na UFBA. Em 1997 surgiu o Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas-PPGAC, fruto de uma parceria das Escolas de Teatro e de Dança, em um momento em que a quantidade de professores doutores de cada Escola não era suficiente para garantir-lhes autonomia. Essa estratégia visava fortalecer as pesquisas que já vinham sendo desenvolvidas pelos investigadores dessas Escolas, bem como a formação de novos pesquisadores, inclusive com a qualificação de docentes da própria UFBA.

A implantação do PPGDança é também marcada pelo trabalho pioneiro do Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da PUC-SP. Este Programa se consolidou com estruturas teóricas que permitiram a ampliação e avanço do conhecimento na articulação da Dança com outros saberes, por meio de estudos e pesquisas em abordagens interdisciplinares baseadas na interface entre Arte, Comunicação e Ciência, fato que afirma sua singularidade. Assim, como decorrência do crescimento do PPGAC e do fortalecimento da área da Dança, em 2003 foi fomentada uma ação realizada por meio do Programa de Qualificação Institucional- PQI, da CAPES, estabelecido entre a Escola de Dança da UFBA (IES/Proponente) e o Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da PUC-SP (IES/Cooperante), programa esse que se estendeu até o ano de 2008. Com a duração de cinco anos, esse Programa teve o propósito de consolidar as bases estruturais para a pesquisa acadêmica na área de dança. O PQI possibilitou a formação de docentes em nível de doutorado, realização de encontros acadêmicos, publicações, missões de estudo e de trabalho, vínculos de projetos conjuntos de pesquisa de pós-graduação entre equipes de diferentes regiões do país ou de diferentes cidades da mesma região e de diferentes IES, estímulo à elaboração e implementação de estratégias de melhoria do ensino e da pesquisa, desde o nível departamental até o institucional, apoio a políticas de desenvolvimento das atividades de ensino e pesquisa dos docentes qualificados. A finalidade última do PQI teve a função de atuar como plataforma para a implantação do Mestrado em Dança da UFBA. Busca-se desde então contribuir para o avanço de conhecimento de pesquisas aglutinadas à Dança e em suas articulações a pujantes vínculos com um pensamento social e artístico crítico pleno, engajadas em lutas e transformações (e não apenas em impactos). Este Programa intentou, e agora com seu Doutorado, intenta nesta conduta atuar, desde 2005, para a pluralidade de informações, e o acesso a elas, como condição para a construção de autonomia, para a ocorrência de pensamentos em ações democráticas em Dança, diversas e plurais.

Credita-se a elaboração e criação do PPGDança à equipe formada por Profa. Dra. Fabiana Dultra Britto (atualmente Pró-Reitora de Extensão Universitária da UFBA); Profa. Dra. Eloisa Leite Domenici (atualmente professora associada do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências da UFSB, docente do PPPGAC-UFBA); Prof. Dr. Fernando Antonio de Paula Passos (atualmente professor aposentado e à época professor do PPGAC); Profa. Titular Ivani Lúcia Oliveira de Santana (hoje professora do Instituto de Humanidades Artes e Ciências UFBA e professora permanente do PPGAC.); Profa. Dra. Leda Maria Muhana Martinez Iannitelli (atualmente professora aposentada) e Prof. Dr. Norberto Peña.

A primeira turma do Mestrado em Dança ingressou em 2006. A gestão de início foi de 2002 a 2008 e 2008-2010 e permaneceu por um período de em 2011. A coordenadora foi a Profa. Dra. Fabiana Dultra Britto e vice coordenadoras (em períodos alternados as Profas. Dras. Jussara Sobreira Setenta e Adriana Bittencourt Machado). Nesta primeira gestão ocorreram os primeiros Seminários de Pesquisa em Dança, as primeiras Defesas de Dissertação específicas da área. O Programa recebeu a vinda de artistas e gestores da área da dança renomados em busca de qualificação acadêmica. Entre eles podemos elencar, por exemplo: Adriana Perrella de Matos, Carmen Paternostro Schaffner, Dina Maria da Costa Tourinho, Hugo Leonardo da Silva, Mara Francischini Guerrero e Thembi Rosa Leste. Importante enfatizar a profusa e instigante conexão desses ambientes, um mais especificamente artístico e outro, acadêmico-artístico.

A segunda gestão inicia-se em agosto de 2011-2013 e depois, 2013 – 2015 (findando no início deste mesmo ano). A coordenadora foi a Profa. Dra. Lúcia Helena Alfredi de Matos e a vice-coordenadora a Profa. Dra. Gilsamara Moura. Retomou-se a periodicidade anual dos Seminários de Pesquisa do PPGDança, convidando pesquisadores eruditos e de intervenção constante na cultura, comunicação e dança, enquanto argutos nos reptos reflexivos em suas áreas, tais como o Professor Emérito Muniz Sodré de Araújo Cabral e o professor Phd André Lepecki. Houve a criação da Revista Dança, a elaboração das normas para Recredenciamento, Credenciamento e Descredenciamento de docentes, o início de longo e profundo processo de Reforma Curricular, reconfiguração das Linhas de Pesquisa a partir de 2013 (Antes havia duas linhas: Estudos de Processos e Estudos de Configurações). A presença assídua das coordenadoras, com empenho e engajamento em planejamento estratégico, traçados de metas e marcos foram ponderação incisiva para uma autorreflexão, análises, argumentações, discussões, auto avaliação, tanto no âmbito de produção individual quanto coletiva.

Visando atingir os objetivos propostos, o PPGDança em sua 3ª trienal (2010-2012), apresentou os resultados do planejamento estratégico proposto pela coordenação eleita para o biênio 2011-2013 (e reeleita para o biênio 2013-2015), o qual teve como foco a análise crítica do perfil do curso e o atendimento às indicações apresentadas nos resultados das últimas avaliações da CAPES. Parte das ações planejadas foi possível de ser executada em virtude do apoio financeiro de R$ 60 mil obtido por meio do edital Programa Pró-Consolidar (UFBA), para uso do recurso em 2011 e 2012, o que possibilitou ampliar a produção intelectual e participação em eventos. Em 2013, conseguimos um novo apoio financeiro via edital 04/2013 – Apoio a Programas de Pós-Graduação stricto sensu, edital acordo CAPES/FAPESB (AUXPE), no qual foi obtido um apoio de R$ 67.240,000 a ser utilizado entre 2013 a 2015 para a publicação de dois Anais do Seminário de Pesquisa, de um livro e de 4 edições da Revista Dança. Esta, um periódico deste Programa teve seu primeiro número lançado em dezembro de 2012, dois outros em 2013, um em 2014, sendo que a segunda edição desse ano (2014) foi lançada em 2015.

A segunda gestão (2013-2015) do PPGDança pleiteou editais “Pró-Equipamentos” e atualmente temos em uso no Programa os equipamentos de Áudio- descrição e Motion Capture (detalhados em INFRAESTRUTURA – Laboratórios). A coordenação impulsionou e fomentou a participação em Eventos (Congressos, Seminários, Encontros, Palestras, Cursos, Oficinas) no país e no exterior de docentes e discentes. Participou de reuniões em Brasília referente a informações e indicativos esclarecedores para este Programa e outros em questão. Buscou auxílio especializado para correto preenchimento da Plataforma Sucupira. Iniciou uma ação de maior visibilidade do Programa com o contato do Sistema Átrio para o site do PPGDança. As Bolsas de Demanda Social-CAPES, foram aumentadas e uma das bolsas CAPES era destinada à estudante do “Programa de Alianças para a Educação e Capacitação da Organização dos Estados Americanos PAEC-OEA”. A entrada de alunos estrangeiros vindos de Argentina, Chile, Colômbia, Paraguai, Portugal, Uruguai, Venezuela veio acrescentar mais húmus ao canteiro artísticocultural da rede do PPGDança. Nesta gestão (2013-2015) foi implantada a bolsa PNPD (a descrição dos projetos de pesquisa encontra-se no item Atividades Complementares), que possibilitou o acolhimento de pesquisadores de pós-doutoramento bem como foram realizados por parte do corpo docente estágios de pós-doutoramento no PPGDança e estágio sênior, conforme previsto no Programa de Qualificação-PROQUAD. A Profa. Dra. Fátima Daltro (Estagio Pós-Doutoral na School of Media and Performing Arts/Midllesex University/Londres, CAPES/MEC (2014-2015), Profa. Dra. Fátima Wachowicz Estágio Pós-Doutoral no The MARCS Institute/University of Western Sydney, Austrália, CAPES/MEC (2014-2015) e a Profa. Dra. Daniela Amoroso (Université - Paris 8 – Saint-Denis, França- 2016) partiram em missão de estudos e pesquisas.

          A terceira gestão, de março a agosto de 2015 foi de um período de transição devido a problemas de saúde da coordenadora Lúcia Matos. Teve como coordenadora a Profa. Dra. Adriana Bittencourt Machado e como vice coordenadora a Profa. Dra. Gilsamara Moura. Pautou-se em comissões para a continuidade da Reforma Curricular e criou “Ciclo de Intercâmbios Artísticos Acadêmicos do PPGDança” que contou com apresentações artísticas e palestras de pesquisadores nacionais e internacionais. Houve a mobilização de coordenação para a coorganização dos eventos acadêmicos da Associação Nacional de Pesquisadores em Dança- ANDA. Houve continuidade do processo da Bolsa PNPD.

A quarta gestão na coordenação do Programa de Pós-Graduação iniciou-se em 23 de setembro de 2015, tendo como coordenadora a Profa. Dra. Lenira Peral Rengel e vice coordenadora Profa. Dra. Fátima Campos Daltro de Castro. Após a aposentadoria desta assume a vice coordenação a Profa. Dra. Ludmila Pimentel e depois a Profa. Dra. Daniela Maria Amoroso. Houve empenho para a formulação adequada da Linha de Pesquisa Dança, corpo e cognição, revisão das diretrizes para concessão de Bolsas dentro do Programa (feita em 2012), assessoria e leituras para o preenchimento da Plataforma Sucupira, atuação frequente junto aos discentes, com reuniões de avaliação, de escuta, de diálogos para entendimento do pertencimento que este segmento estudantil deve, de fato, ter em relação à ao PPGDança e à Escola de Dança. A participação em reuniões coordenadas pelo Pró-reitor de Ensino de Pós-Graduação, pelo Coordenador de Ensino de Pós-Graduação e equipe asseguram e orientam questões pelo bem da gestão acadêmico-administrativa. Foi realizado, como em todas as gestões, o VI Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação. As discussões para o Edital e Seleção para a turma de Mestrado 2016.1 resultaram em aumento de vagas, devido à capacidade de orientação do corpo docente, em coadunação ao proposto no Documento de Área e também com a compreensão do engajamento, para o retorno, que devermos ter, para com a sociedade da qual fazemos parte. Nesta quarta gestão o PPGDança, na avaliação quadrienal (2013 a 2016), alcança a nota 4 (quatro).

A quinta gestão do PPGDança (2017- 2019) esteve a cargo da Profa. Dra. Daniela Maria Amoroso e vice-coordenadora Fátima Wachowicz. A professora Fátima solicitou afastamento para razões pessoais e, por consequência, foi eleita como vice-coordenadora a Profa. Dra. Adriana Bittencourt Machado.  Na gestão da profa. Daniela Amoroso Ocorreram o VIII e o IX Seminários do Programa de Pós-Graduação.  Nessa gestão os Seminários contaram com convidados internacionais e nacionais, apresentações artísticas e apresentações de trabalhos acadêmicos. Os trabalhos do PPGDança tiveram continuidade dentro de um cenário nacional repleto de turbulências políticas, com consequências nefastas para o campo da Educação, entre 2018 e 2019.

A sexta gestão ficou a cargo da vice coordenadora em exercício Profa. Dra. Adriana Bittencourt Machado. Nessa gestão ocorreu a seleção da segunda turma de Doutorado em Dança, o X Seminário de Pesquisa em Dança que integrou docentes e discentes para sua realização. O X Seminário de Pesquisa do PPGDança apresentou às pesquisas dos estudantes de Doutorado e Mestrado articulando pesquisa acadêmica e produção artística e teve, sobretudo, o objetivo de autoavaliação.  O X  Seminário , “ Como criar Movimento?”, teve como característica basilar a criação de  condições de análises sobre o próprio Programa estimulando o exercício reflexivo sobre a crise que se instala na produção de conhecimento na Pós-Graduação, o que proporcionou, também, uma autoavaliação acadêmica, estrutural, comunicacional e relacional. A autoavaliação se constituiu atrelada à construção de um ambiente de construção de novas possibilidades através de reflexões críticas e da viabilidade de produções docentes e discentes. O X Seminário contou com o apoio da CAPES.  O Seminário contou em sua abertura com o Prof. Dr. Wilson Gomes (FACOM) e com o Prof, Dr, e com encerramento com a palestra do Prof. Dr, Zeca Eligèro (UNIRIO).  A escolha se deu também como forma de autoavaliação e percepção da diversidade das pesquisas geradas pelo Programa, uma vez que os convidados apresentam pensamentos e eixos epistemológicos próprio e divergentes.

A sétima gestão do PPGDança iniciou-se em dezembro de 2019, sob a coordenação da Profa. Dra. Lenira Peral Rengel e vice- coordenação da Profa. Dra. Adriana Bittencourt Machado.

Temos, de forma importante, atuado na formação qualificada de docentes e artistas nas regiões Nordeste e Norte, contribuindo assim, ao longo desses anos, para impactar, transformar e dirimir uma realidade hegemonicamente culturalizada como tendo lacunas artísticas e educacionais. Este falso panorama, infelizmente a um só tempo, é identificador de assimetrias regionais no nosso país, tanto socioeconômicas quanto em relação à oferta de Cursos de Pós-Graduação como um todo, de Cursos de estudos pós-graduados em Artes, mormente em Dança. Reafirmamos como missão continuada nosso compromisso com a formação de pesquisadoras e pesquisadores, com uma ampla inserção no Brasil - e, desde 2009, como tem-se assinalado, também recebendo alunos estrangeiros, fato que nos insere em países da América Latina, via egressos e sua atuação. Pesquisadoras e pesquisadores – formados, e formadores do seu percurso nos nossos Cursos de Mestrado e Doutorado, por meio das disciplinas, atividades, apresentações artísticas, seminários, se inseridos como docentes em Universidades, nas redes públicas de Ensino Fundamental e Ensino Médio, ou também na rede privada são agentes estético-políticos. Se inseridos no mercado da comercialização da Arte e Cultura são aglutinadores do conhecimento crítico acadêmico não hegemônico em Dança. Ambos docente e artista ou artista/docente ou docente/artista formados pelo PPGDança têm a pesquisa acadêmica como húmus para a participação na vida social e artísticocultural, de maneira formadora e intercambiada ética, cidadã, democrática e emancipatória.

 

 

 

 
 
Português, Brasil